sábado, 11 de julho de 2015

A MÚSICA CAIPIRA NASCE NA RODA DE VIOLA

Nossa associação não tem fins lucrativos e tem como objetivo defender, preservar, fomentar e promover a cultura caipira e os interesses dos violeiros e dos profissionais relacionados à viola brasileira de 10 cordas e todos os instrumentos que compõe o universo da música caipira, assim como o violão caipira, sanfona e suas derivações, cavaquinho, caixas de folias, percussões e outros instrumentos.
Chitãozinho e Xororó

Desde o primeiro momento que começamos a nos reunir, pensamos em inclusão. A viola caipira não existe por si só. O pagode caipira não existe sem o recortado da viola e o “cipó preto” do violão caipira. A “viola chic chic” de Tião Carreiro não existe sem percussão, muito menos sem um lindo violão que a acompanha. Poderia citar aqui inúmeros exemplos de percussão e outros mais.

O Projeto Quintais- Encontro de Violeiros foi criado pensando na “oralidade caipira”, um local onde há a troca de experiências de levadas nos instrumentos e no meio caipira. Tanto do instrumentista, quem milita no meio, as benzedeiras, o pessoal da gastronomia caipira, enfim tudo que permeia o universo sertanejo.
Gilberto e Gilmar
Não pensamos a nossa associação como “produtora”! Os nossos projetos não visam lucros a um ou outro associado. Pensamos num universo em que todos possam participar tendo experiência na área ou não. E que esta experiência não se restrinja somente ao músico, mas aos adultos e crianças que gostem deste segmento da música.

Por volta dos três anos de idade a criança já terá os circuitos do cérebro necessários para começar a aprender a tocar um instrumento musical e a convivência com o meio a fará buscar este objeto com mais facilidade.
César e Paulinho
Começamos pensando nos jovens caminhando com a gente sabendo que o contato com a música beneficia o cérebro sem contar na possibilidade de minimizar a procura destes adolescentes e crianças por estas mídias maçantes.

 As crianças de três e quatro anos nos bailes de barraca feitos no interior nas décadas de 60/70 no centro oeste mineiro já participavam das rodas de viola através do toque de colheres (estes talheres de cozinha). Dali a pouco já estava passando para outros instrumentos sem escola formal nenhuma. É que o ritmo vivenciado nas rodas com os adultos melhoravam o raciocínio espacial e temporal daqueles pequenos.
Irídio e Irineu
Por isso caro associado, é uma boa escolha para começar a interagir com seus pequenos, pois, qualquer instrumentos de percussão é mais acessível do que os instrumentos de corda, uma vez que as crianças não têm que dedilhar, mas a mudança se torna mais fácil.

A partir de 12 anos de idade a percepção para música na criança volta com todo gás e nesta hora se houver empenho teremos a formação de um bom violeiro que não precisa necessariamente ser apenas da viola de 10 cordas, como pode ser também do violão caipira.


O preconceito musical impede os iniciantes de conhecer caminhos novos e é assim que se faz o seu caminho. Os primeiros artistas que se enveredaram pelo mundo caipira, as vezes se aventuravam com apenas dois violões, duas violas, um violão e uma viola. Depois foram chegando os trios com os violões e sanfonas, harpas, guitarra havaiana, cavaquinho, percussões, baterias, baixos, guitarras etc. Estamos falando aqui de Zilo e Zalo, Caçula e Marinheiro, Trio Parada Dura, Tião Carreiro e Pardinho, Liu e Léo, Os Filhos da Fronteira, Juliano e Jardel, Milionário e José Rico, Poeta e Trovador e tantos outros.

Lázaro Mariano aos 9 anos com seu violão caipira.
Do final da década de 80 até hoje ao ouvir as músicas não definimos bem os ritmos, os boleros, as guarânias, polcas, chamamés, querumanas, mazurcas, cateretê, congadas, etc. O nosso movimento é pra trazer os militantes que gostam de ritmos, sobretudo, identifica-los. É importante passar isso para quem quer ser músico.

“Senhor dono da casa abra suas portarias, ASSUNTA veio visitar, com prazer e alegria”.

Texto: Violeiro Lázaro Mariano

Um comentário:

  1. Assunta nossa amizade. A saudade faz cantar todas as paixões. Salve os caipiras de todos os rincões brasileiros. J.Hilton

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Abraços enviolados!